Divulgação

A lente da câmera aparentemente turva. Ela acompanha, atrás das grades de um berço, os corpos de duas mulheres conversando até o momento em que saem do quarto. O equipamento representa os olhos de um bebê, que ao se ver sozinho no cômodo, fica na companhia de uma música, tocando no ambiente. É dessa forma que Gaby Estrella: O Filme, dirigido por Cláudio Boeckel e inspirado na série nacional homônima, começa.

O filme conta a história de Gaby (Maitê Padilha), a bebê retratada anteriormente, que cresce e se torna uma cantora pop teen. Como todo artista, novato ou não, ela tem de arcar com os ofícios da profissão, como gravar músicas, fazer shows, dar autógrafos, entrevistas, etc. No universo musical em que está inserida é a número um em audiência.

Porém, quando Natasha (Luiza Prochet) se torna a nova artista a ser agenciada por Sr. F (Élcio Romar Fernandes), seu produtor musical, ela se vê pressionada. Em fração de segundos, sua notoriedade se rebaixa e ela se torna a nona artista mais influente e a número um passou a ser a nova cantora. Mesmo com poucos minutos de filme, esta cena já poderia ser considerada o primeiro, se não o principal clímax da produção.

Em meio a esse cenário, a mãe de Gaby, Patrícia (Adriana Prado), sugere que ela vá visitar a avó Laura Estrella (Regina Sampaio) em Vale Mirim, que aparentemente não estava se sentindo bem de saúde. E assim se fez, a protagonista viajou para visitá-la em sua cidade natal. Mas quando chegou na casa de sua avó, Gaby teve uma surpresa. Sua prima Rita (Bárbara Maia) tomou o seu antigo quarto e o transformou em um escritório inteiro cor de rosa. E o pior, Rita agora se classifica como uma vloger e montou um site em que posta todos os vídeos de Natasha, deixando a protagonista desapontada e irritada.

Tudo começa a mudar quando o Sr. F sugere que Gaby faça um reality show mostrando suas origens, na intenção de melhorar sua imagem pública. Nesse processo o produtor escalou pessoas da própria Vale Mirim, ou seja, todos os amigos de infância de Gaby foram chamados. Filó (Carol Murai), Juju (Nathalia Figueiredo), Chiquinho (Pedro Paulo Pedral), Ricardo (Pedro Lopes) e Suellen (Luisa Gonzalez) agora estavam sob supervisão e companhia de Julio (Victor Lamoglia) na elaboração do reality. E foi, a partir disso, que as maiores complicações de Gaby têm início.

Com um filme focado para o público infanto juvenil brasileiro, Gaby Estrella: O Filme, que tem estreia marcada pro dia 18 de janeiro, pode ser o início do interesse da produção cinematográfica brasileira em filmes do gênero. Nele, existem cenas de risos rasos, paixão adolescente e questões familiares que todo jovem enfrenta. Além disso, o longa-metragem é salpicado por canções interpretadas pelo elenco, o que torna possível entregar-lhe o título de musical. Se aprofundando em ambientes e costumes de um Brasil rural, o filme apresenta questões de egoísmo e egocentrismo entre as protagonistas. Em um momento em que a juventude é circundada por adversidades severas como o bullying, cada vez maior e mais profundo, o preconceito, a vergonha e o medo, o diretor Cláudio Boeckel conseguiu, dentro de toda a brasilidade das falas e paisagens, frisar a mensagem e o legado do filme. Seja você mesmo.