Divulgação

Com direção e roteiro do francês Nadir Moknèche (Adeus Marrocos) e estrelado por Fanny Ardant (Variações de Casanova) e Tewfik Jallab (A Marcha), Lola Pater estreia dia 23 de novembro em todo o Brasil.

Zino é um jovem francês afinador de pianos, que de repente perde sua mãe devido a um aneurisma fatal, e assim ele vai em busca de seu pai, Farid, quem não vê há 20 anos, para dar a triste notícia. Chegando ao endereço que lhe foi dado, uma escola de danças orientais, Zino não acha seu pai, somente uma mulher, Lola, que diz que não conhece o homem que o rapaz está procurando. Zino não acredita na mulher e pensa que ela é a nova esposa do pai ou coisa parecida e vai embora, se sentindo abandonado pelo pai novamente. Acontece que Lola, na verdade é o pai de Zino, que após abandonar o filho e a esposa, mudou de sexo. Com peso na consciência e uma enorme vontade de conhecer melhor o filho, Lola decide que irá para Paris atrás de Zino lhe contar toda a verdade.

Farid e Malika, pais de Zino, eram imigrantes argelinos, que encontraram na França um lar. Eles sempre foram melhores amigos e Farid nunca escondeu da esposa sua verdade. Então, quando Zino tinha por volta dos 7 anos, a mulher incentiva seu marido a ir viver a vida com o corpo que deveria ter nascido, mas devido à preconceitos, ela sugere que eles precisam se separar, para poupar o filho. Zino passa a vida inteira pensando que o pai os abandonou, contudo Farid queria manter o contato com o filho, só que Malika não permitiu e aos poucos parou de falar com o marido até por cartas. Quando Lola conta toda a verdade para o filho, ele fica transtornado, se sente enganado por ambos os pais e foge de Lola, o que ocasiona em quase uma tragédia, contudo no final, pai e filho se entendem e tudo fica bem.

Esta é uma história definitivamente cativante, e mesmo que o roteiro não conte com segredos ou plot twists, e seja até um pouco previsível, ele é muito bem construído e nos dá certas informações gradativamente, o que dá um ritmo natural para o filme e apresenta mais camadas dos personagens.

Esse filme conta com dois personagens principais, Lola e Zino. Que apesar de serem extremamente diferentes, ainda são pai e filho, o que faz com que possuam muitas coisas em comum. Fanny Ardant nos apresenta Lola como uma mulher segura de si e de personalidade forte, que vê sua mudança de sexo como uma retificação do trabalho de Deus. E em Tewfik Jallab vemos em Zino um rapaz marcado pelo abandono e que não acessa com tanta facilidade seus sentimentos.

Lola Pater é um filme que vai além de falar sobre pessoas trans, também aborda de forma pertinente os sentimentos de luto e abandono, e ainda a aceitação do diferente e o perdão. Tudo isso em diálogos primorosos e muito bem entregues pelos atores, fazendo desse filme, uma história sobre reencontro de pai e filho e como eles desenvolvem um relacionamento que não existia há décadas. O fato do pai ser uma mulher agora é um mero detalhe.