Divulgação
 
Sarcástico e dono de um humor ácido bastante peculiar, Kurt Vonnegut foi um dos autores norte-americanos mais originais e influentes do século 20. No ano em que completa uma década de sua morte, a editora Aleph traz de volta às prateleiras Cama de Gato, a elogiada ficção apocalíptica de Vonnegut, que traz uma sátira do homem moderno e suas loucuras.

Lançado em 1963, Cama de Gato foi escrito durante a Guerra Fria, e o autor questionava fortemente o uso do conhecimento para destruição em massa. Os cientistas que ele retrata são pessoas inescrupulosas, que não refletem sobre as consequências do que estão fazendo. Vonnegut sempre se posicionou como um escritor "a serviço do povo" e aqui, como em todas as suas obras, levanta questões relevantes para a sua época – e que podemos ver que ainda encontram-se em pauta nos dias de hoje:  os perigos das armas de destruição, abuso de poder, colonialismo, fanatismo religioso, hipocrisia e intolerância.

No livro, "o protagonista relata as ações de cientistas que não têm qualquer preocupação ética com as consequências de suas pesquisas, e acabam desenvolvendo armas de destruição em massa. Ele testemunha também o que acontece quando líderes políticos de poder ilimitado têm acesso a esse tipo de arma. Diante das ameaças entre EUA e Coreia do Norte, Cama de Gato continua sendo uma sátira muito atual", afirma Bárbara Prince, editora da Aleph.

Dados do livro:

Cama de Gato

Autor:
 Kurt Vonnegut
Tradutora: Livia Koeppl
Preço: R$ 49,90
Número de páginas: 280